Além da pandemia de coronavírus deste ano de 2020, a liderança de pessoas remotas representa um desafio para as organizações. Além da gestão de assuntos, os responsáveis por áreas em empresas e organizações de diferentes naturezas precisam adotar novas formas de liderar suas equipes para inspirar, motivar e potencializar o potencial de cada colaborador.

O trabalho remoto veio para ficar: sabe-se que uma grande maioria o adotará de forma total ou híbrida, mesclando dias no escritório com o home-office. Modalidades mais flexíveis também serão instaladas de acordo com cada negócio, e espera-se que existam equipes menores e ultraespecializadas que funcionem como células ágeis em coordenação entre si.

5 chaves de gerenciamento para um liderança virtual eficaz

Desse modo, o sucesso da liderança remota é tão diferente de ter a equipe cara a cara, porque, entre outros aspectos, requer:

  • Confie mais em cada pessoa.
  • Aprenda a delegar com eficácia.
  • Gerar senso de responsabilidade nos trabalhadores.
  • Motive-os a serem intraempreendedores no setor a que pertencem.
  • Defina processos que conduzam aos resultados desejados, em formato virtual.
  • Criar espaços de proximidade e ligações à distância que ajudem a superar a ausência de socialização, essencial para todas as pessoas.
  • Tenha indicadores claros para medir a gestão.
  • Comunicar, comunicar e comunicar: fortalecer todos os canais disponíveis, de forma permanente. O líder que não sabe como fazer isso com eficácia irá falhar inevitavelmente.Estabelecer objetivos desafiadores que impulsionam a equipe para o próximo nível.

5 chaves que fazem a diferença

Na liderança à distância de pessoas existem alguns direcionadores que fazem a diferença no resultado final. O bom piloto dessa época os conhece, leva adiante, testa, ensaia novas fórmulas e, por fim, gera impacto por meio de sua influência ao tocar a mente e o coração das pessoas.

Estas são as cinco chaves para a liderança virtual de excelência:

1. Desafie com objetivos que impulsionam a equipe para o próximo nível

Muitas organizações vêm de estágios de obsolescência em relação a liderança e processos internos. O novo ambiente virtual, com a tecnologia como ferramenta transversal e insubstituível, convida-nos a criar estratégias que não só permitam à equipa se sustentar, mas também mover-se e cada um crescer. O líder sabe ver esse potencial oculto e ajuda a expandi-lo.

2. Aplique feedback constante

Hoje, a comunicação é mais essencial do que nunca, pois o que antes interpretávamos através da linguagem corporal, e até mesmo na teia de códigos e comportamentos do não dito, precisa ser substituído por uma atitude pró-ativa, aberta e direta. Uma maneira de fazer isso é encorajar canais de feedbacks horizontais: o feedback é dado e recebido, portanto, os novos líderes precisam estar abertos ao que sua própria equipe tem a dizer. Outra ferramenta valiosa é adquirir as habilidades básicas necessárias para criar ambientes futuros, não importa o quão confusas as coisas sejam no presente. É esta visão de futuro que vai gerar a ilusão, a motivação e a paixão para seguir em frente, para além das dificuldades.

3. Resolva os problemas logo.

Estamos passando de uma época de gerenciamento de crises aleatórias a uma fase de crises permanentes com impactos diversos. Isso muda o paradigma, porque antes as empresas se preparavam para contingências mais ou menos previsíveis; em vez disso, eles agora se tornarão recorrentes.

Para isso, a nova liderança precisa de pessoas conscienciosas na hora de detectar o termômetro de cada pessoa, questão e resultado que buscam obter. À distância, é mais difícil perceber a emocionalidade e o processo que cada trabalhador passa, ainda mais nos ambientes VICA: volátil, incerto, complexo e ambíguo.

O líder assertivo sabe suprir essa lacuna para reunir, incentivar, trocar em grupo e também individualmente quantas vezes forem necessárias. Em suma, tudo o que você pode ter evitado pessoalmente, agora você deve assumir: trata-se de estar na presença, totalmente presente com outras pessoas. Consequentemente, os responsáveis ​​por pessoas que se dedicam apenas à gestão e microgestão serão sepultados sob a quantidade de questões de plano suave que surgem no teletrabalho: emoções, situações pessoais, problemas de comunicação dentro da equipe, ruptura da cultura tradicional, destruição de códigos em vigor, falta de lealdade, interpretações e julgamentos que levam a decisões erradas, e a lista continua.

Por isso, é fundamental que você saiba detectar problemas a tempo, redirecioná-los, orientar, estimular a busca de soluções e gerar ambientes de aprendizagem colaborativa, para que as lições aprendidas com cada questão possam ser extraídas.

4. A congruência pessoal e profissional é posta à prova neste novo tempo.

O atual líder precisa endossar com fatos o que pensa, sente e diz, pois as equipes estão observando com muito mais cuidado do que antes, essa coerência em sua atitude. Pessoas excepcionais que precisam desse tempo precisam equilibrar sua vida pessoal e profissional, e ser impecáveis ​​e íntegras.

5. Auto-motivação gerada a partir do autoconhecimento.

A forma de gerar impacto e influência positiva nas equipes é baseada em um profundo autodesenvolvimento de soft skills e competências que enriquecem o conhecimento técnico. As motivações intrínsecas são essenciais para ser um dínamo que não apenas fornece a si mesmo a energia necessária para navegar nas ondas de transformação, mas pode expandi-la para outros.

Aspectos que antes eram considerados supérfluos, como conversas transcendentais com a equipe, momentos de lazer compartilhados, orgulho de pertencer e realizar ideais, sonhos e propósitos, premiar os méritos das pessoas e alinhar objetivos pessoais com esses ideais profissionais ganham vida em a motivação do novo tempo.

Outra forma de desenvolvê-lo é criar ambientes psicologicamente seguros, com confiança, valorização, inclusão, aceitação e impulso para as potencialidades individuais e, assim, sensibilizá-lo para colocá-lo a serviço da equipe, onde todos aprendem e recebem feedback. Esse senso de transcendência é o que cria a figura de um “líder, coach e mentor”, uma pessoa profunda, que agrega valor permanentemente, que é alguém que é confiável e estimado por suas equipes.

Assim, desta construção da nova liderança virtual com cinco passos decisivos, nasce uma nova forma de conduzir, mais amável, respeitosa, inclusiva e confiável, sem perder de vista os resultados.